The Unwritten Rules of Masturbation

A woman tossing her hair from side to side.

You have sexy questions? Eugene has sexy answers. Write. Now: Eugene@ozy.com

Masturbation Consternation

EUGENE, SIR: I happen to masturbate a lot. Is this natural? —Jah Mokwena

Dear Ms. Life Of: No idea what you think a lot is. Indiana University’s National Survey of Sexual Health and Behavior in 2009 studied 5,865 Americans and found that 13.5 percent of the men surveyed masturbate four or more times a week. And unless you’re confused, there are seven days in a week. Women in their 30s? A “whopping” 1.5 percent masturbated that often. Don’t know if this fits your definition of “a lot,” but by now you should have guessed that unless it’s costing you in ways that are either social or professional/financial, who cares? I, myself, masturbate about 37,000 times a week, and sometimes I even touch myself too.

Ba-da-bump! Is this thing on?

Every damned day, buddy!

Straight Up

EUGENE, SIR: I was hanging out with a friend of mine. We had been drinking. He had been saying we should go out and get some head. I borrowed a line that was supposed to have come from John Lennon in a similar circumstance and said, “Yeah. But I don’t want to wait.” He kind of laughed it off but now a week later things are still a little weird. I think he’s being kind of old-fashioned about this. Fixes?  —Jamie

Dear Sometimes You Feel Like a Nut: So you made a pass for penis and your pass for penis was not positively received? And the pass receiver feels a little “funny” now? Funny. You know there have been people who have murdered people while drunk, and you’re asking me how to fix a failed pass? Here’s my advice: Forget about it. 

You suggested he blow you and he’s taking offense? He should have taken offense the last 10 times you asked for rides to the airport, so yes, I think he’s being a little old-fashioned. UNLESS you’re not telling me the truth, the whole truth and nothing but the truth. If you asked him like Ben Kingsley in Sexy Beast? Repeatedly, forcefully and with your pants off? He might have grounds for feeling a little uneasy come Monday. 

In any case, homosexual panic is what it is, and jogging him out of it shouldn’t be your job even if you’re the one who panicked him. Mostly because it’ll never work. If someone’s panicking, telling them to “calm down” never works. Waiting it out? Might. But why is it only dudes making passes at friends? In my entire time sitting under the “Help 5 Cents” sign, I’ve only heard of a woman doing this ONE time. Know your audience, my man. Know your audience. 

Assessing the Healthcare Rollout

Color photo of Bill's left profile with chin in right hand as he listens

The most popular OZY story of 2013 made its worldwide debut on November 12, 2013. It also appeared on NPR, CNN, the Drudge Report, CBS, ABC and numerous other media outlets, kicking off a national debate about President Obama’s promise that people could keep their healthcare plans if they wanted to. It wasn’t long afterward that the healthcare policy was adjusted to allow just that.

When OZY sat down with President Clinton, one of the things we were most interested to hear was his impression of the recent national health care rollout. Here’s what he had to tell us.

1. The country is better off with the Affordable Care Act than without it. 

2. The enrollment website problems are not unlike enrollment issues during the Bush administration’s Medicare drug benefit rollout in 2006. Even though it was less complicated, it was considered a disaster – but in time, it was fixed.

3. People living in states with Republican governors who took advantage of the Supreme Court’s decision to allow them to opt out of the healthcare law’s Medicaid provision are going to experience a bizarre situation. Individuals with incomes between 133 and 400 percent of the poverty level can buy insurance at new, lower premiums, but working people with incomes under 133 percent of the poverty level will have no coverage. This will then stress hospital emergency rooms. Once this becomes evident, more and more states will flip their position and join the program.

4. “If you like what you’ve got, you can keep it.” This is a promise young people heard clearly, and it’s one President Obama needs to keep — even if it requires a change in the law.

Watch the video to hear more, and use the comments to let us know how you would grade the Obamacare rollout, and whether you agree with Clinton’s perspective.

Catch up on part one of our interview, where the president describes the best advice he ever got during his time as Commander in Chief. Coming up in part three: How expecting more from our politicians is the key to ending government gridlock.

Careers: OZY’s Hiring

OZY is seeking candidates for our demanding, paid, 8-to-10-week summer internship program. Whether you’re a young writer or an ambitious videographer or you’re obsessed with photography and graphics, we want to hear from you. We’re looking for the best, the brightest and the most enthusiastic storytellers to join our effort to rewrite what it means to be in media.

An internship with OZY is unlike any other internship out there — no coffee errands here. As an OZY intern, you’ll help power our team, publish your own stories and work on a summerlong special project. At OZY, we treat our interns like full-blown team members, and we expect you to step up to the challenge too. Some of our best ideas have come from OZY interns. Who knows? Your big idea might be our next TV show.

Read on to learn more about OZY, which positions we’re hiring for and how to join the OZY Tribe. Trust us, your career will never be the same again.

About OZY

Cofounded by former CNN/MSNBC anchor Carlos Watson, OZY is a three-year-old media company that tells stories found nowhere else — on TV, in person and on OZY.com. We have a monthly global readership of more than 20 million people and offices in New York and Silicon Valley’s Mountain View. We cover all manner of otherwise untold stories on global politics, business, culture and quirks.

In addition to the daily offering of eight original text and video features on OZY.com, OZY has a major festival each summer in New York City’s Central Park (OZY Fest) with headliners across music, politics, food and everything in between. We also launched OZY TV in 2016 with a bang: The Contenders: 16 for ’16 and Point Taken. We have many more shows in production.

We are a growing, dynamic band of former EconomistWall Street Journal, Vice and CNN writers and analysts — and intrepid and passionate career-switchers — reimagining intelligent journalism.

College students (juniors and graduating seniors), postcollegiate types and those with professional experience, please apply. The internship pays approximately $5,000 for 10 weeks.

INTERESTED?

Send a résumé and a brief note telling us about yourself and why you’re interested in OZY to interns@ozy.com. Please specify which position you’re applying for in the subject line. We will be accepting applications on a rolling basis. The final deadline is Wednesday, February 15, 2017.

***

REPORTER INTERNS

Position: Reporter Intern

Where: San Francisco Bay Area (Mountain View)

Who do we want? Aspiring journalists who want to learn how a fast-paced publication works. We’re looking for interns who want to be actively involved in the team and have what it takes to run with ideas and own them.

Must-haves:

  • Willingness to take an active role on a collaborative team
  • Interest in the future of digital media
  • Ability to juggle multiple tasks in a fast-paced, startup environmentent
  • Enthusiasm and positivity — we want you to work hard and have fun doing it

Day-to-day responsibilities: No one day at OZY is the same. Interns will support the staff in a variety of ways, including contributing reporting to major features and playing an active role in marketing. Interns will be expected to pitch, research and write original stories as well as conduct an internship-long project that they are passionate about. A number of other exciting opportunities come with being in a small newsroom, including learning about OZY’s photo department, assisting with video projects and becoming familiar with audience engagement, marketing and analytics.

***

VIDEO INTERNS

Position: Video Intern

Where: New York City

Who do we want? Are you an ace videographer? Ready to try something different in journalism? At OZY, we produce all kinds of videos, from mini-docs to interviews to short vignettes. We are looking for enthusiastic, thorough, professional and creative interns to work with us. We want people who are highly motivated and detail-oriented with a keen eye for strong, surprising and thought-provoking video to help our readers see more, be more and do more. You will work hard but receive the benefit of committed guidance. We’re looking for interns who want to be actively involved in the team and have what it takes to run with ideas and own them.

Must-haves:

  • Extremely professional and committed
  • Strong visual literacy and communication and project-management skills
  • Ability to juggle multiple tasks in a fast-paced, startup environment
  • Broad cultural and current-events knowledge
  • Adobe Premiere Pro or other editing software skills
  • Camera, shooting and directing experience preferred
  • Studies in visual arts or journalism preferred
  • Interest in the future of digital media

Day-to-day responsibilities: No one day at OZY is the same. Interns will work on numerous tasks assisting our video producers, including research, web production, editing and shooting. Interns will be able to serve as PAs or second camera on numerous shoots in the field on a weekly basis. They will also string out rough edits and organize footage. They will be exposed to a wide variety of production skills and will be expected to pitch stories and possibly contribute to the site as a video producer. This is a fantastic opportunity to learn video production for an editorial outfit from the ground up. A number of other exciting opportunities come with being in a small newsroom.

***

PHOTO EDITING INTERN

Position: Photo Editing Intern

Where: San Francisco Bay Area (Mountain View)

Who do we want? At OZY, we are looking for a hardworking and creative intern with a background in journalism and photography. You should be highly motivated, detail-oriented with a keen eye for strong, surprising and thought-provoking art to help our readers see more, be more and do more. You will work hard but receive the benefit of committed guidance and reviews from your managers and gain valuable insight into what photo editors at web-based publications do. We’re looking for interns who want to be actively involved in the team and have what it takes to run with ideas and own them.

Must-haves:

  • Photoshop experience
  • Extremely professional
  • Strong visual literacy and communication and project-management skills
  • Ability to juggle multiple tasks in a fast-paced, startup environment
  • Broad cultural and current-events knowledge
  • Students of visual communications or journalism preferred (or similar work experience)
  • Interest in the future of digital media
  • References
  • A laptop

Day-to-day responsibilities: No one day at OZY is the same. Interns will work on numerous tasks assisting our photo editors, including image research, image purchasing and web production. Interns will also have the option to serve as assistants in the field and assist with OZY’s visual presence on social media.

***

Human Resources Team

Director of Personnel

OZY is searching for a dedicated and proactive director of personnel who is resilient, creative and warm. S/he will be responsible for leading a selective recruiting process across OZY’s various locations (NY, D.C., SF Bay Area, etc.). S/he will be the lead in creating a fun culture and enjoyable training programs and will be an effective counsel to OZY employees. In addition, s/he will shape compensation and benefits programs.

Desired Skills/Experience:

  • A bachelor’s in arts
  • Ideally 7–10 years of experience
  • A blend of company experience that ideally includes startup company experience
 

Defining Moments With OZY Preview

Hulu and OZY bring you a fabulous new bio-doc series about the winding road to success for many celebrities we know and love today. Stars share the toughest moments of their journeys, as well as the pivotal ones that led to their breakthroughs. Defining Moments With OZY tackles pressing issues, such as racism, disability, LGBTQ+ inclusion and more. In short, it’s a show for our time.

Bethe Correia, A Improvável Invicta

Bethe Correira

Imagine que, em 15 dias, existe alguém planejando te dar uma boa surra – arrebentar suas orelhas, triturar as cartilagens do seu nariz, bofetear sua cara, te deixar inconsciente. Tudo isso sendo assistido e apoiado por milhões de ávidos torcedores. Poucos colocam fé que você irá encarar o desafio quando o grande momento chegar, em apenas quinze dias. 14. 13. 12…

Essa é a realidade de Bethe Correia, paraibana de 32 anos.

Se você conhece algo de MMA (sigla para Artes Marciais Mistas, ou o antigo “Vale-Tudo”) é bem provável que tenha visto ou ouvido falar sobre Ronda Rousey, a menina de ouro que estampou capas de revista e conseguiu grandes contratos ao redor do mundo. Mas enquanto todos os holofotes estão voltados para as cascas-grossas americanas, cá estamos numa ruela escura de Natal, uma das cidades mais violentas do Brasil, com a mulher que entrará no ringue com “Rowdy” Rousey – para o que será, sem dúvidas, a maior luta de sua vida. As duas se enfrentarão neste próximo sábado 1º de Agosto, no Rio de Janeiro, para concorrer ao título de campeã do peso galo feminino do UFC.

Os contrastes entre elas não poderiam ser mais evidentes. Faz algumas semanas que Rousey está na mira de inúmeros fotógrafos que registram todos os seus passos em academias da mais alta qualidade e nas praias ensolaradas de Santa Mônica. Ela está rodeada de patrocinadores, com bebidas energéticas garantidas e muitas camisetas para autografar. Já aqui em Natal, em pleno Nordeste brasileiro, “Pitbull” Correia treina nos equipamentos enferrujados de uma academia simples e sem ar-condicionado. Tem o marido como treinador e a irmã como empresária. Os patrocinadores? Bem, até agora não existem.

O único lugar onde as pessoas realmente apostam em Bethe é dentro da sua quente e úmida academia de ginástica em Natal, local que tem se tornado um celeiro de novos lutadores.

Para os milhões de espectadores que ligam suas TVs e acompanham as lutas, Bethe simboliza agora a nova esperança do MMA feminino no Brasil, modalidade que apesar de ter crescido bastante no país nesses últimos anos, ainda carrega a má-fama de virar as costas para os seus próprios lutadores. A mídia local parece subestimar a atleta brasileira, não acreditando que ela tenha chance frente à máquina que é a americana Rousey. Nos Estados Unidos, ela é levada ainda menos a sério. O portal esportivo Bleacher Report prenuncia uma derrota de Bethe por nocaute logo no primeiro round. Sites de apostas colocam Rousey em -1500, com um favoritismo de quinze chances de ganhar para uma contra.

O único lugar onde as pessoas realmente apostam em Bethe é dentro da sua quente e úmida academia de ginástica em Natal, local que tem se tornado um celeiro de novos lutadores – como os irmãos Patrício e Patricky Freire – que chegaram com tudo na cena atual do MMA brasileiro, esporte que combina técnicas das modalidades da luta greco-romana e do karatê, entre outras. Uma tarde lá dentro é o bastante para ouvir as histórias dos outros lutadores que presenciaram em primeira mão o entusiasmo e a ferocidade de Bethe nos treinos, o que os leva a acreditar em seu potencial para a luta do próximo sábado. Sua compatriota, a lutadora Daniela Maria da Silva (Dany Fênix), almeja com convicção, “Espero ver sangue na cara de Ronda”. 

Bethe Correira

Bethe Correia golpeia Jessamyn Duke na luta do peso-galo feminino durante o evento UFC 172, na Arena Baltimore em 26 de abril de 2014, no estado de Maryland, Estados Unidos.

Fonte: Patrick Smith/Getty

***

Em plena meia-noite de uma quarta feira, Bethe entra na academia com seus shorts de treino rosa-choque, uma blusinha solta e um sorriso educado. Me cumprimenta com um beijo na bochecha e segue rapidamente para o ringue de treino. Medindo apenas 1,65m, ela mantém boa forma física, mas vendo de fora ninguém acha que ela é uma atleta profissional. Contrariando a impressão que passa, ela já entrou faz tempo no espírito da competição e tem treinado madrugada adentro, para se adaptar ao mesmo horário em que a luta será realizada. Edelson Silva é o treinador com quem ela se casou em janeiro deste ano e que também treinou o Anderson Silva, dono do maior número de defesas do cinturão na história do UFC e, apesar do sobrenome, não tem parentesco com Edelson. Com o zelo de marido, é ele quem cuidadosamente envolve as mãos de Bethe com fita e gazes antes de amarrar as suas luvas amarelas.

Edelson coloca para tocar sua setlist com clássicos dos anos 80 perfeitos para esquentar atividades físicas – onde não pode faltar Eye of the Tiger, claro – e o treino de Bethe começa pra valer. Nada quebra seu ritmo intenso de movimentos naquele ambiente de ar pesado e pouca ventilação. Em poucos minutos de muita transpiração, ela já tem o abdômen encharcado assim como o chão embaixo dos seus pés descalços. Ela aperta os olhos e observa atentamente as mãos do seu marido e treinador, se esquivando com agilidade e o golpeando repetidamente, com o foco de uma atleta experiente em seus minutos decisivos.

É difícil acreditar que, há poucos anos atrás, ela era apenas uma estudante de contabilidade, gorducha e casada, vivendo uma rotina comum. A mais nova de quatro irmãos, Bethe cresceu sendo a filha mais teimosa e “sangue-quente” de um bancário de Campina Grande, cidade do interior da Paraíba. Ela fez faculdade pensando em ser uma devoradora de números, casou-se logo após, e “começou a engordar, como todas as mulheres depois do casamento,” ela brinca, durante sua entrevista exclusiva para a OZY. Até que um dia, a vida deu uma reviravolta.

Quatro anos atrás Bethe decidiu começar a malhar para perder peso. Por uma jogada do destino, Patrício Freire, atual campeão peso-pena do Bellator, treinava na mesma academia que ela em Natal. Ele se lembra do dia em que ouviu fortes estralos de pancadas vindos do outro lado da academia. Era Bethe – surrando um saco de boxe pela primeira vez. “Eu fui até lá olhar quem estava batendo tão forte,” disse ele, “quando cheguei e vi que era uma mulher comum, de corpo não atlético, demorei a acreditar e paralisei ali mesmo.” Naquela tarde, ele tentou recrutá-la para um teste de MMA em sua academia, mas ela hesitou. “Disse a ele que meu marido não ia gostar que me envolvesse com lutas,” conta ela, com timidez. Patrício, com um sorriso no rosto, recorda: “Ela apareceu lá no dia seguinte.”

Alguns céticos dizem que o UFC concordou com a luta – e mais um contrato de oito disputas – simplesmente pelo discurso de Bethe sobre como ela poderia e conseguiria derrotar a sua rival.

Sentada no pneu em que ela passou a tarde marretando como forma de exercitar sua força, Bethe nos conta como ela começou a treinar após as aulas de contabilidade. Patrício, surpreso com o rápido progresso de suas habilidades para o MMA, prontamente a convenceu a se comprometer com a luta em tempo integral, e, dentro de poucos meses, ela abandonou sua antiga carreira (para o desespero de seus pais) e logo depois, também de seu marido. Essas mudanças repentinas só alavancaram ainda mais a sua carreira e tornaram seus treinos cada vez mais profissionais. Revelou-se uma lutadora de corpo e alma.

Só havia um problema: como o UFC não permitia lutadores do sexo feminino, as promessas de futuro não eram otimistas. Até aparecer a Rousey. “Ela abriu as portas para as mulheres no UFC, e por isso merece crédito,” diz Bethe. Inspirada por Rousey, como a primeira mulher lutadora do UFC, Bethe começou uma campanha no Twitter para que as mulheres pudessem lutar no Jungle Fight, uma competição que aconteceu em 2013. O lobby funcionou, e foi aí que a carreira de Bethe começou a ganhar impulso, graças à série brutal de golpes que deixou Erica Paes no chão. “Foi aí que, de repente, as pessoas começaram a acreditar em mim,” lembra Bethe, sorrindo. Três meses depois, ela assinou o seu primeiro contrato com o UFC.

Até agora, Bethe se mantém invicta em nove lutas, incluindo confrontos diretos contra duas mulheres que, junto com Rousey e outra lutadora, são chamadas de “as Quatro Cavalas.” Pelo fato de muitos lutadores começarem com um estilo específico – como taekwondo ou Muay Thai – antes de começar a lutar MMA, o treinador de Bethe reconhece como vantagem o fato dela ter iniciado sua carreira como uma verdadeira lutadora multidisciplinar, com habilidades de destaque para o boxe e kickboxe. Ao longo do ano passado, Bethe começou uma nova campanha pois almejava chegar ao topo: Rousey. Alguns céticos dizem que o UFC concordou com a luta – e mais um contrato de oito disputas – simplesmente pelo discurso sobre como ela poderia e conseguiria derrotar a sua rival. Pois bem, ela conseguiu chegar a batalha que tanto desejava.

Apesar dos caminhos terem sido abertos para Bethe, não tem sido fácil para ela e as outras lutadoras nessa indústria. Para lutadoras menos conhecidas, é difícil competir em nível semi-profissional. É um hobby que pode se tornar extremamente caro, especialmente para lutadores do Nordeste, a região mais pobre do Brasil. E depois, naturalmente, vem a cultura. Bethe diz que dentro da sua academia ela é aceita como uma lutadora de respeito, mas fora dali sempre leva bronca de seus amigos – “isso é não é coisa de mulher.” Ela ainda nem tem tantas lutas assim em seu currículo: a batalha vindoura com Rousey é a sua primeira luta profissional em quase um ano.

Foi fora dos ringues, porém, que Bethe deu o passo mais arriscado desta perigosa dança. Naquele clássico discurso pré-luta que acontece antes das competições, Bethe declarou a um jornal brasileiro que acha Rousey psicologicamente fraca e que depois da luta “espero que ela não se suicide.” De fato, o próprio pai de Rousey cometeu suicídio. Posteriormente, Bethe se desculpou dizendo que não conhecia esse lado negro da história de Rousey, mas mesmo assim o mal já estava feito. Rousey não respondeu ao comentário, mas tem soltado algumas palavras ásperas ultimamente. Diz que agora, a coisa ficou pessoal. “Nunca esperei pra bater tanto em alguém na minha vida toda,” enunciou ao Daily Mail. E completou, “Essa é a única vez que vou prolongar uma luta intencionalmente para punir alguém.”

Bethe Correira

Source Shannon Sims/OZY

Há outra razão para que a sorte não esteja do lado de Bethe. A grande jogada de Rousey consiste em desequilibrar a rival, a arremessar direto no chão, torcer seus pulsos, e, por fim, aprisionar a cabeça e os ombros de sua oponente entre suas coxas fazendo-a perder todas as suas forças. Da última vez que lutou, ela executou a façanha em exatamente 14 segundos. Toda essa fama de finalizar as lutas no primeiro round é fruto de sua medalha de bronze no Judô, o que facilitou sua invencibilidade em onze lutas até agora. Até mesmo na academia onde Bethe treina, essa fama de Ronda ser uma grande finalizadora utilizando a chave de braço – o qual os mais experientes chamam de “inescapável” – está preocupando seus fãs mais fervorosos. “Ela deveria estar praticando mais no chão,” escuto um dos seus colegas confidenciar ao outro.

***

Com a contagem regressiva dos dias e o mundo inteiro de olhos atentos, Bethe está sob constante pressão. “Estou tentando relaxar a mente agora,” diz ela, respirando fundo a cada vez que profere essas palavras, como se desse um conselho a si mesma. “Essa é a luta da minha vida.” Cristã evangélica, ela tira forças da religião e descreve sua experiência nos últimos anos como “sobrenatural,” recordando que “se você olhar para como tudo começou, eu não deveria nem estar aqui”.

Os rapazes que treinavam na academia vão embora e sentamos de pernas cruzadas no chão do ringue, longe do calor e próximo ao saco de pancadas que ainda balança. Bethe sabe que seus pais estão orgulhosos, mas lhe aperta o coração saber que eles não vão ligar a TV para assistir à luta. “Ver a sua menininha lutando é muito difícil pra eles,” explica ela. Nesses últimos dias, o que vem profundamente inspirando Bethe é saber que ela é um exemplo para as futuras lutadoras do seu país. “Para abrir portas para as outras garotas que sonham com isso…” diz ela, ao massagear as juntas vermelhas e machucadas, “…alguém tem que sofrer.” 

Traduzido por: Raissa Monteiro

Colaboração: Chrystian Sandow

A versão original dessa história foi modificada.